6 estratégias para evitar calote no seu negócio

6 estratégias para evitar calote no seu negócio

  • Pesquisa
  • Publicada em 24/10/2018
  • Tempo de leitura: 6 minuto(s)

As estratégias para evitar calote são cada vez mais comuns entre as empresas brasileiras.
O movimento é justificável e precisa ser levado a sério, uma vez que a saúde financeira do
negócio também depende da manutenção de um fluxo de caixa coeso, organizado e
assertivo.

Neste contexto, é fundamental que os gestores estejam atentos às melhores práticas de
crédito e cobrança para, assim, continuarem vendendo cada vez melhor. Afinal, não basta
movimentar o setor comercial se, no dia a dia, o departamento financeiro vive próximo ao
pânico operacional.

Se você procura por mais informações sobre o assunto, encontrou o conteúdo perfeito! No
post, você entenderá um pouco mais sobre as táticas para evitar calote na sua empresa.
Além disso, também terá acesso a estratégias preciosas para prevenir perdas monetárias
por inadimplência.

Preparado? Boa leitura e bom aprendizado!

A importância de se evitar o calote: a realidade das

organizações brasileiras
Em 2017, a Serasa divulgou um dado bastante incômodo, ainda que revelador: no período,
61 milhões de brasileiros estavam inadimplentes, configurando o pior cenário já registrado
desde 2012.

Trata-se, portanto, de uma dificuldade enfrentada por gestores de todo o país, nos mais
variados segmentos de atuação. Diante disso, é fundamental que o gestor tome iniciativas e
minimize a incidência de calotes.

Na prática, é possível desenvolver e implantar estratégias eficientes capazes de melhorar a
situação de inadimplência, conferir mais fôlego financeiro à operação e dar mais segurança
às lideranças.

Ao contar com um fluxo transparente e eficaz de processos, focado em prevenir calotes e
em manter a regularidade dos pagamentos, os gestores podem priorizar o que é realmente
importante para o crescimento do negócio.

O resultado da prática, por sua vez, costuma aparecer já no curto prazo e garante, além de
uma rotina mais estável, uma administração mais enxuta e competente.

Como evitar o calote: estratégias eficientes para manter a
saúde financeira

Agora que você já entendeu um pouco mais sobre o panorama das empresas brasileiras em
relação aos calotes, é hora de conferir um pouco de prática à discussão.
Para atenuar os riscos de inadimplência e alavancar a segurança operacional, buscando
performances cada vez mais expressivas, certifique-se de conhecer algumas das táticas
mais valiosas do mercado.

1. Analise o histórico de crédito do cliente

Nem todos os clientes são iguais. Essa máxima deve nortear as avaliações de histórico
individual, favorecendo a tratativa com cada perfil e evitando surpresas desagradáveis na
concessão de crédito.

Para estabelecer processos eficazes e obter retornos consistentes, é importante fixar
rotinas de análise e, para cada tipo de grupo, indicar quais procedimentos são mais efetivos
e quais táticas devem ser adotadas.

E mais: o exame detalhado do histórico do cliente confere mais segurança às decisões
sobre ele. Se um deles está com o pagamento atrasado pela primeira vez, por exemplo, é
válido lançar mão de táticas de acionamento e inventivo. Porém, para o caso de atrasos
recorrentes, geralmente é preciso ser mais rígido e menos flexível.

2. Estruture as formas de pagamento de acordo com o público

O perfil e as preferências de seu público-alvo deverão nortear uma série de decisões sobre
o seu negócio. Uma delas é, sem dúvida, a estruturação das modalidades de pagamento
que serão oferecidas aos clientes.

Na prática, é preciso entender os hábitos de consumo de forma a atender às necessidades
do público — porém, sem impactar negativamente no planejamento financeiro da empresa.

No que compete ao leque de opções para pagamento, vale lembrar que as vendas
vinculadas a cartões de débito e crédito costumam ser mais seguras, uma vez que têm a
garantia da instituição financeira. O boleto, embora igualmente seguro, nem sempre é tão
efetivo na concretização da compra.

Por fim, no pagamento com papel moeda ou carnê recorrente, por exemplo, há um risco
maior de inadimplência e, por conseguinte, também de calote.

3. Estabeleça uma rotina de lembretes

Uma estratégia simples, porém bastante efetiva, é a automatização de lembretes,
objetivando atingir os clientes em datas próximas à programação do pagamento.

A ação se baseia na estruturação de rotinas para envio de mensagens ou contatos
telefônicos, avisando o consumidor de que a data de vencimento da conta está próxima.

Ao emitir os lembretes, a inadimplência por distração ou esquecimento diminui
vertiginosamente, melhorando os fluxos financeiros do negócio e assegurando a saúde e a
perenidade do empreendimento.

E lembre-se: é possível lançar mão de uma série de ferramentas disponíveis, tais como
SMS, WhatsApp, e-mail e gravações telefônicas. Invista nelas!

4. Desenvolva um processo de cobrança bem estruturado

Processos bem estruturados são a chave de uma operação enxuta, eficiente e produtiva. Ao
fixar rotinas coerentes, a equipe trabalha com mais sinergia e de modo mais organizado.

Nesse cenário, o retrabalhado é minimizado e os erros operacionais acontecem com menos
frequência, uma vez que todos estão cientes de suas responsabilidades e conseguem
desempenhar suas atividades com excelência.

Na cobrança, que é um ponto bastante sensível e estratégico para a saúde financeira da
organização, é importante desenvolver padrões e fluxos capazes de potencializar a
performance do time e, claro, melhorar os resultados no fluxo de caixa.

5. Enxergue além dos números

Em análise de crédito e controle de inadimplência, é preciso saber ver além dos números,
procurando informações complementares que possam enriquecer o processo de avaliação
e fortalecer as bases da decisão.

Um exemplo prático dessa postura pode ser visto na busca por informações adicionais
sobre o perfil do cliente: se o empreendedor já teve outros negócios (e se cumpriu suas
obrigações financeiras no passado), se a pessoa física já teve o nome sujo em algum
momento etc.

Esses dados conferem robustez aos exames de crédito e endossam os procedimentos para
alcançar os clientes de forma eficaz, mantendo relacionamentos saudáveis e maximizando
os retornos a curto, médio e longo prazos.

6. Conte com a Serasa Experian

A tecnologia é, sem dúvida, uma grande aliada no controle da inadimplência, possibilitando
buscas aprofundadas e permitindo que a empresa tenha cada vez mais conhecimento sobre
seu cliente (e seu histórico).

Nesse sentido, a ferramenta de consulta de CPF e CNPJ da Serasa Experian é bastante
robusta e disponibiliza dados consistentes e atualizados, conferindo mais segurança às
análises. O resultado dessa pesquisa, por sua vez, não tem nada de raso: é a partir dele
que podem ser tomadas decisões estratégicas, eficazes e produtivas.

A mensagem final, portanto, é clara: para evitar calote, uma série de estratégias podem ser
implantadas de forma a reduzir o índice de inadimplência e, dessa forma, alavancar os
resultados globais da empresa — que pode, assim, trilhar seu caminho de crescimento com
mais segurança e assertividade.

O conteúdo foi útil e despertou em você alguns insights valiosos? Ótimo! Aproveite para
entrar em contato conosco e saiba como podemos ajudá-lo a maximizar os retornos da sua
empresa. Sucesso e até a próxima!